VIVENDO E APRENDENDO

Hoje venho trazer um relato para vocês, sobre minhas primeiras experiências com o trekking e seus equipamentos. Como já contei para vocês em meu texto anterior, vivi minha primeira grande aventura na Serra Catarinense com meu pai, onde ele me deixou usar alguns equipamentos que ele já possuía, e me orientou a respeito de como usá-los.

 

Meu pai foi adquirindo seus equipamentos ao longo dos seus 5 anos de experiência. Os quais, hoje, são de qualidade superior se comparado a quando ele começou. Mas isso só se tornou realidade depois de testes malsucedidos. É aquela velha história, a gente aprende com o tempo e a experiência... E esse é o principal motivo de eu trazer esse relato, para que vocês possam ter um pequeno auxílio no início de suas jornadas como trekkers.

 

Então, primeiro escolhemos a mochila mais adequada para o tipo de trekking que faríamos (3 dias + frio + acampamento) e que melhor se encaixava no meu corpo. Pois todas as mochilas que ele possui são masculinas, o que fez com que as regulagens ficassem no limite. Mas, de qualquer forma, ela se encaixou no meu corpo e eu percebi como ela é capaz de “disfarçar” todo o peso que carregamos durante a caminhada. Com certeza eu não teria conseguido caminhar estes 3 dias com 12 kg nas costas em uma mochila comum!

 

O segundo passo foram as botas de trekking, nós tínhamos uma em casa, que minha mãe já usou em algumas aventuras que ela viveu com meu pai e que servia em mim. Mas quando a encontramos, vimos que ela estava toda “aberta”. O que é normal para o tempo que estava parada, mas na época da aquisição, era uma das melhores do mercado. Então, na correria, tivemos que ir ao sapateiro. Ele a colou e costurou toda para que eu pudesse finalizar o trekking com ela inteira! As botas de trekking são realmente necessárias, principalmente por causa do terreno irregular e lamacento, elas causam uma sensação de segurança, pois conseguem proteger o pé de possíveis torções e muitas vezes da lama também. E sim, minha bota “sobreviveu” ao trekking!

 

O terceiro passo foram os bastões de trekking, aos quais eu não conseguia me adaptar no início, porque é realmente difícil coordenar o movimento de pernas e braços de forma eficiente. Mas quando eu me acostumei, e não demorou muito, eu percebi como eles são extremamente úteis! É aquele apoio que todo mundo precisa durante um trekking. Isso sem contar a segurança que o bastão nos dá, principalmente quando temos que atravessar pequenos riachos passando por pedras, ou quando o terreno está muito irregular.

 

Por fim, mas não menos importante... Na Serra estava frio durante a noite, e de dia ventava muito em alguns momentos. Então, para dormir, o saco de dormir planejado para aquela temperatura foi imprescindível, esquentando o corpo e causando uma sensação de conforto. Utilizamos casacos de pluma de ganso de noite, e o fleece também, que foram ótimos para o tempo que passamos no acampamento. Mas para a trilha, eles eram muito quentes. Então o que mais utilizamos foi o anorak, que serve para “cortar o vento”. Como sou extremamente friorenta, tudo isso foi muito útil para que eu ficasse confortável!

 

Espero que eu possa ter ajudado a orientar vocês um pouco! Pense sempre em investir em qualidade acima de tudo. Pois acontece muito de equipamentos baratos ao extremo durarem apenas um trekking, ou nem isso! E então o gasto será dobrado! Sempre pesquise a melhor relação entre custo e benefício. E como o meu pai costuma dizer: procure por formato, eficiência técnica e peso. Pode ter certeza que isso vai fazer a diferença!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

PERMITA-SE

July 12, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes

July 12, 2017

June 19, 2017

May 31, 2017

April 5, 2017

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square